6 de março de 2010

Conversas de noite inteira

Eu teria força para tuas palavras?
Forças que nunca existiram?
Não teria.
Ficaria mais uma vez inebriado
E perdido entre dores no peito e disritmia.
Perderia-me no teu olhar e
Não encontraria mais saída.
E quando eu menos percebesse,
Eu descompasso para seu compasso.
Carregaria amor e medo.
Ouvindo a canção emanada do meu eu mais puro,
Sincero e cego às brutalidades destes dias.

2 comentários:

Ana Raquel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana Raquel disse...

"sincero e cego às brutalidades destes dias" - creio que precisamos todos nos cegar de sentimentos já que o mundo anda machucado com tanta ferida.... também creio que só este sentimento terá a força de mover o "imovível"...

palavras incríveis! a tempo não te visitava,poeta!
abraços.